Doações para os Guarani-Kaiowá do Mato Grosso do Sul

24/09/2015

No momento presente, contexto efervescente de conflitos políticos e sociais de âmbito internacional que merecem nossa preocupação, não podemos nos deixar fechar os olhos diante das atrocidades cometidas aos povos originários do Brasil. As comunidades indígenas vêm resistindo ao ímpeto genocida estabelecido neste território há 515 anos, justificado por um discurso historicamente construído pelos colonizadores, que veem essas populações como obstáculo ao desenvolvimento.

Dentre as comunidades indígenas existentes no território nacional, cuja existência é ameaçada constantemente, dedicamos nossa atenção especificamente à tribo Guarani-Kaiowá, situada no Mato Grosso do Sul, município de Antônio João, na fronteira entre o Brasil e o Paraguai. Em 29 de agosto deste ano, em um ataque na terra indígena Ñande Ru Marangatu, foi assassinada a liderança indígena Semião Vilhalva. Várias pessoas foram feridas e um bebê foi atingido com balas de borracha. Poucos dias depois, novos ataques com armas de fogo foram denunciados. Foram expulsos de seu território e atualmente se encontram abandonados à beira da estrada.

Este conflito começou em 2005, quando ainda sob o governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, foi implementada a proposta de demarcação territorial indígena, revogada meses depois pelo STF, que acata a requisição dos ruralistas da região. Esses processos, ocorridos em um período extremamente ínfimo, só trouxeram prejuízos aos Guarani-Kaiowá. Por estarem adquirindo uma estabilidade social que é completamente rompida por meio do desrespeito à sua cultura e combate à sua preservação de maneira escancarada e contínua, essa relação torna a resistência e o embate algo humanamente impossível.

Sem podermos contar com o apoio do grande monopólio midiático que determina seletivamente o que é divulgado em larga escala, que tomou uma postura assumidamente pró-ruralista, todo meio de divulgação de pequena circulação se torna mais que necessário. Uma vez cientes da tragédia, nos tornamos responsáveis por ajudar a combatê-la, somando forças ao lado daqueles cuja dignidade e direitos vêm sendo privados violentamente ao longo da história do Brasil.Quarta-feira, dia 23,  foi votada no Congresso Nacional a PEC 215, que prevê a anulação de todas as demarcações de terras indígenas até hoje oficializadas. A aprovação dessa PEC significará um retrocesso político e teremos vergonha de dizer que isso ocorreu no nosso país.

Posto isso, gostaríamos de pedir sua colaboração como gesto de solidariedade por meio de doações para os Guarani-Kaiowá de Mato Grosso do Sul, que se encontram atualmente em acampamentos de extrema precariedade, além de estarem submetidos ao controle militar que age sob o interesse dos fazendeiros. Prioritariamente, contamos com sua ajuda na doação dos seguintes itens:

  • COMIDA! (alimentos não perecíveis básicos: arroz, feijão, farinha de trigo, óleo etc.);
  • Roupas (em bom estado e confortáveis);
  • Produtos de higiene (absorventes, papel higiênico etc.);
  • Cobertores;
  • Remédios (prioritariamente analgésicos e primeiros socorros).

O Colégio Equipe, generosamente, está disponibilizando seu espaço para usarmos como ponto de arrecadação. Portanto, pedimos que os itens a serem doados sejam entregues neste local, com o prazo estipulado pela frente organizacional da luta como dia 30/09. E nos encarregaremos de levar todos os itens a um dos pontos oficiais de coleta:

– ALDEIA TEKOA PYAU
>>CECI Jaraguá: Rua Comendador José de Matos, 386. Segunda a sexta, das 8h às 16h – http://cecijaragua.blogspot.com.br/

– BARRA FUNDA
>>UNESP-IA: Rua Dr. Bento Teobaldo Ferraz, 271 – PABX: (11) 3393-8530. Das 10h às 18h.

– LAPA
>>Rua Visconde de Pelotas, 286. Segunda a domingo, das 6h às 23h.

– PERDIZES
>> Centro Acadêmico do RI da PUC (CACS): Entrada pela Rua Monte Alegre, 984 ou Rua Ministro Godói, 969.

– REPÚBLICA/STA. CECÍLIA
>>FESPSP: Rua General Jardim, 522. Segunda a sexta, das 7h30 às 22h30, e sábados, das 8h às 16h – http://fespsp.org.br/
 http://www.salacrisantempo.com.br/home/

– VILA ROSÁRIA (Próximo ao Cemitério da Saudade)
>>Travessa Masérata, 94A – antigo 20).

Caso prefira, as doações também podem ser entregues nesses locais.

Desde já, agradecemos em nome do coletivo de solidariedade aos Guarani-Kaiowá, dos próprios indígenas da terra Ñande Ru Marangatu. Sua preocupação é essencial para nós neste momento de descaso.

Vocês podem acompanhar a luta por meio das seguintes referências:

Qualquer dúvida, contate-nos. 

Atenciosamente:

Ananda Endo (3A)

Guile Michellino (3B)

Iury de Sá Martins (3B)

 

Doações para os Guarani-Kaiowá do Mato Grosso do Sul

24/09/2015

No momento presente, contexto efervescente de conflitos políticos e sociais de âmbito internacional que merecem nossa preocupação, não podemos nos deixar fechar os olhos diante das atrocidades cometidas aos povos originários do Brasil. As comunidades indígenas vêm resistindo ao ímpeto genocida estabelecido neste território há 515 anos, justificado por um discurso historicamente construído pelos colonizadores, que veem essas populações como obstáculo ao desenvolvimento.

Dentre as comunidades indígenas existentes no território nacional, cuja existência é ameaçada constantemente, dedicamos nossa atenção especificamente à tribo Guarani-Kaiowá, situada no Mato Grosso do Sul, município de Antônio João, na fronteira entre o Brasil e o Paraguai. Em 29 de agosto deste ano, em um ataque na terra indígena Ñande Ru Marangatu, foi assassinada a liderança indígena Semião Vilhalva. Várias pessoas foram feridas e um bebê foi atingido com balas de borracha. Poucos dias depois, novos ataques com armas de fogo foram denunciados. Foram expulsos de seu território e atualmente se encontram abandonados à beira da estrada.

Este conflito começou em 2005, quando ainda sob o governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, foi implementada a proposta de demarcação territorial indígena, revogada meses depois pelo STF, que acata a requisição dos ruralistas da região. Esses processos, ocorridos em um período extremamente ínfimo, só trouxeram prejuízos aos Guarani-Kaiowá. Por estarem adquirindo uma estabilidade social que é completamente rompida por meio do desrespeito à sua cultura e combate à sua preservação de maneira escancarada e contínua, essa relação torna a resistência e o embate algo humanamente impossível.

Sem podermos contar com o apoio do grande monopólio midiático que determina seletivamente o que é divulgado em larga escala, que tomou uma postura assumidamente pró-ruralista, todo meio de divulgação de pequena circulação se torna mais que necessário. Uma vez cientes da tragédia, nos tornamos responsáveis por ajudar a combatê-la, somando forças ao lado daqueles cuja dignidade e direitos vêm sendo privados violentamente ao longo da história do Brasil.Quarta-feira, dia 23,  foi votada no Congresso Nacional a PEC 215, que prevê a anulação de todas as demarcações de terras indígenas até hoje oficializadas. A aprovação dessa PEC significará um retrocesso político e teremos vergonha de dizer que isso ocorreu no nosso país.

Posto isso, gostaríamos de pedir sua colaboração como gesto de solidariedade por meio de doações para os Guarani-Kaiowá de Mato Grosso do Sul, que se encontram atualmente em acampamentos de extrema precariedade, além de estarem submetidos ao controle militar que age sob o interesse dos fazendeiros. Prioritariamente, contamos com sua ajuda na doação dos seguintes itens:

  • COMIDA! (alimentos não perecíveis básicos: arroz, feijão, farinha de trigo, óleo etc.);
  • Roupas (em bom estado e confortáveis);
  • Produtos de higiene (absorventes, papel higiênico etc.);
  • Cobertores;
  • Remédios (prioritariamente analgésicos e primeiros socorros).

O Colégio Equipe, generosamente, está disponibilizando seu espaço para usarmos como ponto de arrecadação. Portanto, pedimos que os itens a serem doados sejam entregues neste local, com o prazo estipulado pela frente organizacional da luta como dia 30/09. E nos encarregaremos de levar todos os itens a um dos pontos oficiais de coleta:

– ALDEIA TEKOA PYAU
>>CECI Jaraguá: Rua Comendador José de Matos, 386. Segunda a sexta, das 8h às 16h – http://cecijaragua.blogspot.com.br/

– BARRA FUNDA
>>UNESP-IA: Rua Dr. Bento Teobaldo Ferraz, 271 – PABX: (11) 3393-8530. Das 10h às 18h.

– LAPA
>>Rua Visconde de Pelotas, 286. Segunda a domingo, das 6h às 23h.

– PERDIZES
>> Centro Acadêmico do RI da PUC (CACS): Entrada pela Rua Monte Alegre, 984 ou Rua Ministro Godói, 969.

– REPÚBLICA/STA. CECÍLIA
>>FESPSP: Rua General Jardim, 522. Segunda a sexta, das 7h30 às 22h30, e sábados, das 8h às 16h – http://fespsp.org.br/
 http://www.salacrisantempo.com.br/home/

– VILA ROSÁRIA (Próximo ao Cemitério da Saudade)
>>Travessa Masérata, 94A – antigo 20).

Caso prefira, as doações também podem ser entregues nesses locais.

Desde já, agradecemos em nome do coletivo de solidariedade aos Guarani-Kaiowá, dos próprios indígenas da terra Ñande Ru Marangatu. Sua preocupação é essencial para nós neste momento de descaso.

Vocês podem acompanhar a luta por meio das seguintes referências:

Qualquer dúvida, contate-nos. 

Atenciosamente:

Ananda Endo (3A)

Guile Michellino (3B)

Iury de Sá Martins (3B)

 

Rua São Vicente de Paulo, 374
Higienópolis, São Paulo - SP

(11) 3662 - 6500

(11) 3579 - 9150

(11) 97374 – 8388

equipe@colegioequipe.g12.br

© Colégio Equipe - 2021

Rua São Vicente de Paulo, 374
Higienópolis, São Paulo - SP

(11) 3662 - 6500

(11) 3579 - 9150

(11) 97374 – 8388

equipe@colegioequipe.g12.br

© Colégio Equipe - 2021